Share on Facebook7Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0

A maioria dos vinhos espumantes apresenta no rótulo um indicador que diz ao consumidor o nível de doçura que irá encontrar dentro da garrafa. Esse indicador nada mais é do que palavras, ou melhor designações que nos especificam qual o nível, em que se encontra o espumante, na “escala de doçura”, tendo ainda em conta que os valores dessa escala, são a relação direta de quantidade de açúcar residual por litro de vinho. Mas antes de entrarmos nas palavras que marcam os respectivos intervalos de doçura, vamos entender onde está o principal responsável pela doçura dos espumantes.

O açúcar desempenha um papel importante na produção dos espumantes e pode ser utilizados em três etapas diferentes, com três funções diferentes:

  • Para aumentar o nível de álcool durante a fermentação;
  • Para induzir a segunda fermentação, responsável pela criação das bolhas;

Ou ainda na etapa final no processo de produção dos espumantes, quando o licor de expedição é acrescentado. Este licor é uma espécie de xarope, composto por – vinho base + dosagem de açúcar – e é ele o principal responsável pela sensação de doçura dos espumantes. Embora haja exceções, as vinícolas dosam a quantidade de açúcar que acrescentam com o intuito de corrigirem algumas características dos seus espumantes, como acidez elevada, amargor, etc. O objetivo é procurar um equilíbrio entre todas as nuances que compõem o espumante.

Em relação aos valores e designações da Escala de Teor de Açúcar, eles podem mudar de acordo com a padronização e/ou legislação, de determinadas regiões ou países. Por exemplo se nos basearmos no site oficial de champagne (www.champagne.fr), a classificação em relação ao teor de açúcar possui sete níveis, enquanto no Brasil a regulamentação é feita pela Portaria do Ministério da Agricultura e possui seis níveis. Mas de forma geral eles aparecem classificados na seguinte escala de doçura:

Nature: Provavelmente é o tipo com maior diversidade de designações, conhecido como: Brut Nature, “Pas Dosé”, “Brut Sauvage”, “Brut Zéro”, “Dosage Zéro”, “Brut Intégral”, “Brut Non-Dosé” etc. É o mais seco dos espumantes, porque não recebe qualquer dosagem de açúcar, ou seja está no seu estado “natural”. Este é um dos motivos que faz os espumantes Nature serem tão valorizados, uma vez que não existe qualquer correção, eles são o resultado da qualidade do vinho base mais os cuidados durante a elaboração. Para pertencer a esta categoria o espumante tem que ter menos de 3 gramas de açúcar residual por litro, ou seja, não é nada doce no paladar. Conheça o Nature da Vinícola Fazenda Santa Rita, o Espumante Villa Açoriana Natural Nature.

Extra-Brut: É um espumante extremamente seco, que tem, no máximo até 6g/L de açúcar residual. No Brasil este tipo de espumante não é frequentemente encontrado.

Brut: Provavelmente este é um dos tipos de espumante mais consumidos no Brasil, que apresentam um teor de açúcar entre 6g/L e 15 g/L. Apesar dos valores parecerem altos (aproximadamente entre 1 a 2,5 dos pacotinhos de açúcar do café por litro), a acidez natural dos espumantes mascaram a sensação de doçura, proporcionando uma percepção fresca e agradável. Conheça os dois espumantes Brut da Vinícola Fazenda Santa Rita, o Espumante Casa Portuguesa Brut Rosé e o Espumante Villa Açoriana Natural Brut.

Extra-Seco: Também designado por Extra-Dry, apresenta um teor de açúcar entre 12 e 17 g/L.

Seco: Também conhecido como Sec, ou ainda Dry, este é um dos tipos de espumantes aconselhados para acompanhar comidas agridoces. Apresentam de 17 a 20 g/L de açúcar residual.

Demi-Sec: Poderíamos dizer que entramos agora na categoria dos espumantes doces, com teores de açúcar acima de 15 g/l, chegando a valores entre 30-50 g/l.

Doce: Também conhecidos como Doux na França, são frequentemente encaixados na categoria de vinhos de sobremesa, têm açúcar residual acima de 60 g/L. Este grau de doçura é encontrado na maioria dos espumantes moscatéis elaborados no Brasil.

Tal como a adição de açúcar pode ajudar a manipular algumas sensações do espumante, o inverso também acontece. Desta forma, o grau de doçura nem sempre corresponde à sensação final de doçura, uma vez que outros fatores como a acidez e a perlage, pode balancear o teor de açúcar.

Agora que tem uma noção da escala de doçura dos espumantes é só experimentar e descobrir as suas preferências!

 

Fonte: http://wineforbrazil.com.br/

Vinícola Fazenda Santa Rita

A Vinícola Fazenda Santa Rita está localizada nos Campos de Cima da Serra/RS e é uma centenária e tradicional empresa do agronegócio